Luiz Ceara

Arquivo : outubro 2011

Ataia Mané, que Brasília gosta.
Comentários 9

Luiz Ceará

“É muito triste ver mais uma vez comprovado que o Brasil é um país sem memória. Não se recorda dos seus heróis e seus ídolos”.

Quem está dizendo isso é Elza Soares, uma das maiores cantoras vivas do Planeta Terra, é claro que levando em conta que muita gente gosta de outras musicas e cantoras, e que gosto não se discute.

Mas ela está falando de futebol, não é de musica. E de um assunto que está me incomodando muito. Querem mudar o nome do Estádio Mané Garrincha em Brasília para Estádio Nacional.

O secretário distrital do Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte, Pedro Fernando Avalone Athayde, é um dos organizadores do movimento “Fica Mané Garrincha” que está reunindo um abaixo assinado para que tal bobagem não aconteça. Ele afirmou que o falecido jogador é o símbolo do ‘futebol-arte’ e sugeriu uma estátua do ponta na frente do estádio.

Tem alguma coisa mais justa que isso?

Eu nem quero aqui discutir esse assunto, vou contar uma história que é para ocupar melhor este espaço.

Em 71 eu morava no Rio de Janeiro e era musico. Fui à casa de Elza Soares para mostrar uma musica a ela, já que estava gravando um disco. Na sala sentado, a porta abriu e Mané Garrincha entrou, atravessou a sala e depois voltou. Cumprimentou-me com um sorriso e minha vida virou do avesso. Deixei de ser musico para ser jornalista esportivo. Mané tinha esse poder. E tinha muito mais. Era um mágico, um palhaço e um gênio de pernas pra lá de tortas. Desafiava a noção do drible porque inventava.

Um dia, num amistoso do Botafogo com um time do interior de Minas, Mané quase matou um menino de vinte anos de tanto drible. Fez dois gols no primeiro tempo. Um baile, se me entende o amigo do Blog. No intervalo o treinador do time perguntou ao garoto: “Eu não te falei que era fácil? Se ele sair pela direita… marca. Se for pela esquerda… marca. Não tem erro. Ele não vai atravessar você. O que aconteceu¿”

O menino, assustado e com as pernas bambas respondeu: ”O problema é que ele ataia”.

Em Minas e no interior de São Paulo, a palavra “ataia”, é traduzida do caipirês como a forma de pegar um atalho, sair do caminho e pegar um atalho. Nunca seguir na trilha certa, se esquivar e até enganar.

Esse era o Mané, um cara que nunca seguia pelo caminho que era esperado,sempre ataiando,criando, recriando.

Tudo para nos encher os olhos, nos alegrar. Agora que ele virou nome de Estádio de futebol querem mudar. Só em Brasília, onde todos os absurdos viram coisa corriqueira.

Triste.

Tags : Garrincha


Leão quer um novo comando no São Paulo.
Comentários 24

Luiz Ceará

Leão disse na coletiva agora a pouco aqui no CT do São Paulo que quer uma nova voz dentro de campo. Disse que Rogério Ceni será eterno, mas que quer outros comandos.

Depois ele explicou que quer o goleiro falando com a dsefesa, a defesa falando com o meio e os atacantes falando com o gol adversário.

Depois disse que Lucas tem que começar a jogar…senão?

“Os que têm brilho prórprio tem que começar a brilhar”, sintetizou o treinador Leão.

Agora só falta ele se explicar com o Rogério Ceni, no particular.

 

 

Tags : Rivaldo


Leão voltou atrás.
Comentários 5

Luiz Ceará

Dez e meia da manhã de hoje Leão iniciou um coletivo com o time que poderia jogar contra o Vasco em São Januário neste Domingo.

Denis, depois tres zagueiros que são Xandão, João Felipe e Rodolfo. Os laterais Pires e Juan. Os volantes Wellington e Carlinhos Paraíba e o meia Marlos. Na frente Lucas e Willian José.

Não deu certo porque o time tomava bola nas costas dos resevas, sempre com a participação de Rivaldo metendo as bolas.

O resultado foi uma conversa no gramado com o diretor de futebol Adalberto Batista.

E Rivaldo recebeu o colete e entrou no lugar de Marlos no time titular.

Mas o Rivaldo não era carta fora do baralho?

 

 

Tags : Rivaldo


Meus filhos e o motorista da Comêta querem Rivaldo.
Comentários 26

Luiz Ceará

Ontem eu vi o Rivaldo por cima do muro do Palmeiras, onde eu estava. Foi por acaso. Ele estava treinando com mais três ou quatro jogadores. O time em Assunción para jogar contra o time do Nicolás Leoz, presidente da Conmebol, no Estádio Nicolás Leoz, para pouco mais de dez mil pessoas.

O São Paulo não jogou para vencer, apenas jogou. O time do Paraguay jogou pela vaga em seu campinho acanhadíssimo, sua cara. Venceu e passou para a próxima fase.

Rivaldo deve treinar hoje pela manhã de novo com três ou quatro jogadores.

A pergunta que fica sempre é a que eu ouvi do meu filho, João Antonio, sãopaulino de 14 anos. Feroz com a derrota. É a mesma do motorista da Viação Comêta que me trouxe de Campinas hoje pela manhã e de minha filha Bianca, de 30 anos, também sãopaulina.

Pergunta: porque Rivaldo não estava lá?

Será que eles entendem de futebol mais do que a comissão técnica do São Paulo? Tem alguma coisa errada aí.

Tags : São Paulo


Aldo Rebelo tinha muito cabelo, como eu.
Comentários Comente

Luiz Ceará

O problema não é Orlando Silva ter saído do governo, do Ministério do Esporte. É o que ele deixa na mão do interino, por enquanto.

No governo Silva só fez política suja, suja não, promíscua, coisa baixa. Quem mora em Campinas como eu e conhece Karina, ex-jogadora de basquete como eu, sabe que infelizmente ela manchou sua carreira brilhante. Hortência, Paula, Janete e outras tantas ex-jogadoras como ela, Karina, estão aí, fazendo as coisas acontecerem no esporte. Karina trilhou o caminho daqueles que acreditam que o Brasil não dá certo nunca, que aqui é o país do jeitinho. Sujo, se me entende o amigo do Blog.

Orlando Silva ao sair, deixou um rastro. Para dar continuidade ao seu estilo de trabalhar. O nome do rastro é Waldemar de Souza, o secretário executivo da pasta, de sua maior confiança. Ele é responsável por assinar convênios com ONGs suspeitas de irregularidades. São milhões saindo pelo ladrão, escorrendo pelo ralo. Dinheiro seu e meu.

A partir de hoje sai o nome do novo Ministro que vai tocar o negócio da Copa. O PC do B vai indicar Aldo Rebelo que eu conheci pessoalmente no dia em que ele venceu a eleição para presidente da UNE, em Piracicaba.Eu era repórter da Globo em Campinas, começando a carreira na TV. Ele na política. Ele e eu tínhamos muito cabelo e esperanças de ver um Brasil melhor. Estou fazendo a minha parte,ligado ao esporte. Se Aldo vier para a pasta,e eu sei que ele é apaixonado por futebol,por exemplo, espero que essa paixão seja revertida em honestidade,sinceridade e trabalho.Vamos ver.

Tags : Aldo Rebelo


Rivaldo treina separado. Triste.
Comentários 89

Luiz Ceará

Vi agora pela manhã uma cena que representa a fase do São Paulo e de como a diretoria está tratando do caso “a fase do time”.

Imagine uma equipe que não tem nenhuma estrela a não ser seu goleiro. Mas que tem outra, um autentico campeão, meio que em final de temporada, no ocaso de uma carreira brilhante, um dos melhores do mundo. Em plena forma. Eu disse em plena forma levando em consideração seus 38 anos.

Um cara de grupo e que quer colaborar. Um personagem que serve de exemplo dentro e fora de campo para os meninos que sobem, e os que já subiram, mas que ainda não se firmaram. O São Paulo tem alguns desses casos.

Um jogador de respeito que deveria ser chamado para opinar, ajudar, esclarecer. E, em alguns casos, quando utilizado de maneira correta numa partida, decidir com um passe ou num chute certeiro.

Mas, apesar disso tudo que eu falei acima, coisas que penso a respeito de Rivaldo, vi o que não queria acreditar.

Ele estava nesta manhã no CT treinado em separado com mais quatro ou cinco jogadores, e acredito, um preparador físico ou um assistente do técnico Leão. Não conheço o personagem. Isso pode¿

Pode e está sendo feito no grande São Paulo de Gerson, Falcão, Rogério Ceni, Canhoteiro, Oscar e Dario Pereira, Gino Orlando, Bellini, Valdir Perez e muitos outros geniais jogadores como Rivaldo.

O São Paulo não está respeitando Rivaldo como deveria. Essa é a cara do São

Paulo que eu admiro e respeito.

E não é a cara de seu Presidente, o Juvenal Juvêncio que eu conheci diretor de futebol vitorioso. E que hoje mais parece uma caricatura do que já foi.

Triste, muito triste.

Tags : Rivaldo


O Leão que o São Paulo contratou.
Comentários 39

Luiz Ceará

Fui ao treino do Corinthians na era Luxemburgo e no dia seguinte ao treino do Santos, que tinha Leão no comando. O treino do Timão era em Bragança Paulista, num Hotel. O do peixe num Hotel Fazenda em Jarinu.

Era feriado e minha família foi comigo, aproveitar o passeio profissional. No treino do Timão, Luxa me chamou e quis conhecer meus filhos, Estevão de dez anos e João, de dois. Brincou com os meninos, tirou fotos e mandou Marcelinho e Vampeta fazerem o mesmo, que sem nenhuma frescura e com o maior bom humor agradaram os meninos. Fotos, sorrisos e beijos nas crianças. Saí muito, muito feliz. Minha mulher a Raquel idem.

No dia seguinte fui ao treino do Santos… Hotel Fazenda, tudo a ver.

Leão viu meu carro parar e de longe mandou dois seguranças em nossa direção. Pensei o melhor, numa recepção digna de um feriado. Enganei-me.

Os três, Raquel, Estevão e João tiveram que ficar dentro do carro, sem descer. Enquanto eu fazia meu trabalho. Ordens do chefe.

Os meninos não entenderam nada e como os seguranças não eram o Leão, trouxeram laranjas, porque fazia sol e eles estavam com muita sede e calor. Quarenta e poucos minutos sem sair do carro. Nenhuma foto, ou sorrisos, ou agrado.

Dias depois falei com o presidente do peixe sobre o caso. Ele lamentou e chamou Leão de cafajeste.

O fato não mudou minha postura com Leão, afinal eu poderia estar errado em levar meus filhos para o trabalho, coisa que meu pai Luiz Ceará Jr. o cara que me ensinou aquilo como sendo bom para a educação dos filhos, me fez entender.

Posteriormente, numa entrevista que fiz com o técnico num programa de TV, ele chorou ao falar sobre sua família, da falta que a proximidade dela fez durante sua carreira, como faz a de qualquer um de nos que vive do esporte. Estamos sempre longe de casa.

Esse é o treinador do São Paulo, um time de dirigentes educados e gentis.

Vamos ver esse lado, porque o tempo que ele terá com os jogadores é pequeno para recuperar a situação do tricolor.

Em tempo, Leão disse que sua mulher não agüentava mais vê-lo em casa. A minha adora me ver sempre perto dela e dos nossos filhos e netos.


Bandeirantes, a Rodovia da vergonha.
Comentários 5

Luiz Ceará

Está cada dia mais difícil viajar de Campinas a São Paulo pela Rodovia dos Bandeirantes. Na verdade é uma vergonha nacional. Uma estrada padrão internacional que teima em fazer dinheiro para as Construtoras. A Rodovia dos Bandeirantes é uma reforma interminável ao ar livre, para todos verem todos os dias. Ela, que é gigante, teima em ser um problema do tamanho dela para seus usuários. Se paga caro para transitar sobre uma reforma que nunca acaba.

Pior que isso, ou muito mais difícil fica a situação quando pelas manhãs, três ou quatro vezes numa semana o usuário se depara com o congestionamento da entrada de São Paulo. Aí sim a polícia militar deixa de fazer o que mais aprendeu em sua história gloriosa. Em vez de atender e ajudar, os motoqueiros passam aplicar multa atrás de multa. Outra indústria que não para de crescer.

Que papelão hein policial rodoviário. Rindo dos usuários a cada multa aplicada. Eu já levei uma e passei a observar o comportamento da Policia Rodoviária. Longe, muito longe do seu padrão de trabalho, o rodoviário é hoje um jogador de várzea, ele que já foi craque de bola, que é pra gente exemplificar melhor ao amigo do Blog.

Triste de ver os que já foram heróis das estradas, travestidos de escreventes de multas. Cada dia com mais sede.

Volto já pra falar do Leão, mais um erro do São Paulo.


Vergonha na cara.
Comentários 6

Luiz Ceará

Minha filha me mandou isso que você vai ler agora. Leia e pense.

A Justiça Brasileira!!!

Eis o porquê da expressão: ‘deixar o cachorro passar e implicar com a pulga’

Isso foi exibido em todos os telejornais noturnos na quinta feira.

Paulo, 28 anos, casado com Sônia, grávida de 04 meses, desempregado há dois meses, sem ter o que comer em casa foi ao rio Piratuaba-SP a 5km de sua casa pescar para ter uma ‘misturinha’ com o arroz e feijão, pegou 900gr de lambari, e sem saber que era proibido a pesca, foi detido por dois dias, levou umas porradas. Um amigo pagou a fiança de R$ 280,00 para liberá-lo e terá que pagar ainda uma multa ao IBAMA de R$ 724,00. A sua mulher Sônia grávida de 04 meses, sem saber o que aconteceu com o marido que supostamente sumiu, ficou nervosa e passou mal, foi para o hospital e teve aborto espontâneo. Ao sair da detenção, Ailton recebe a noticia de que sua esposa estava no hospital e perdeu seu filho, pelos míseros peixes que ficaram apodrecendo no lixo da delegacia.

Quem poderá devolver o filho de Sônia e Paulo?

Henri Philippe Reichstul, de origem estrangeira, Presidente da PETROBRAS.

Responsável pelo derramamento de 1 milhão e 300 mil litros de óleo na Baía da Guanabara. Matando milhares de peixes e pássaros marinhos. Responsável, também, pelo derramamento de cerca de 4 milhões de litros de óleo no Rio Iguaçu, destruindo a flora e fauna e comprometendo o abastecimento de água em várias cidades da região. Crime contra a natureza, inafiançável.

Encontra-se em liberdade. Pode ser visto jantando nos melhores restaurantes do Rio e de Brasília.

Esta é uma campanha em favor da VERGONHA NA CARA.
Eu já divulguei, e você? Faça sua parte, não demora nada.
Nada mesmo.

 

 

Tags : Vergonha


Mano Menezes, vivo, muito vivo.
Comentários 3

Luiz Ceará

Estou em um evento de uma empresa de refrigerantes. Estavam marcados para aparecer, é claro, mediante um enorme cachê, Neymar, Lucas, Ronaldo Nazário e o técnico da seleção canarinho Mano Menezes.

Mano já enviou desculpas dizendo que não virá porque teve problemas com as conexões aéreas, porque está vindo de Guadalajara onde seu timinho de meninos tomou um coro de um inexpressivo selecionado da Costa Rica. Foram belos gols que tomamos por sinal.

A ponto de mano Menezes, que está com suas costas arranhadas pelas performances da Seleção principal não ter ânimo para entrevistas ou brincadeiras.

Isso é o que dá falta de planejamento. Mandar para um Pan qualquer time e acreditar que ainda somos os mesmos, com nossa ausência de talentos, é pisar literalmente na bola.

Aí, o patrocinador é que paga o pato, e a conta, se me entende o amigo do Blog. Paga mas não leva.

PS: A todos os amigos do Blog eu peço desculpas pela ausência nos últimos dias. Tava dodói. Coisa de véio, que já sou. Mas não desencarnei ainda, e por isso estou aqui. Valeu.